Cristo princípio, meio e fim

Cristo princípio, meio e fim Arnold Dallimore: ” durante os anos 80 do século XIX, um grupo de ministros americanos visitaram Inglaterra, movidos principalmente pelo desejo de ouvir alguns dos pregadores célebres daquele país.

Um domingo de manhã assistiram ao City Temple, cujo pastor era o Dr. Joseph Parker: cerca de 2000 pessoas lotavam o prédio, e a forte personalidade de Parker dominava o culto. Tinha uma voz incrível, sua linguagem era descritivo, sua imaginação vivaz e seus gestos animados.

Cristo princípio, meio e fim
Jesus Cristo é o Senhior

O sermão era escritural, e a congregação estava fascinada com suas palavras. Os americanos saíram dizendo: “que maravilhoso pregador é Joseph Parker!”. À noite, foram a ouvir Spurgeon no Tabernáculo Metropolitano: o prédio era muito maior que o City Temple e a congregação duas vezes maior.

A voz de Spurgeon era mais expressiva e comovente, e sua oratória era significativamente superior. Mas logo se esqueceram do edifício, a enorme congregação e a maravilhosa voz de Spurgeon (e até se esqueceram de comparar os traços diferentes dos dois pregadores, como tinham sido proposto). Ao terminar o culto, encontraram-se simplesmente dizendo: ” que maravilhosos salvador é Jesus Cristo!” (” Spurgeon: Nova linha do tempo ” do Arnold Dallimore).
” Gostaria de propor que o tema do ministério nesta casa, enquanto esta plataforma aguente e haja adoradores que compareçam, seja a pessoa de Jesus Cristo! Nunca tenho vergonha de confessar que sou calvinista, nem duvido me chamar Baptista; mas se me pergunta qual é o meu lema, digo:

“a minha religião é Jesus Cristo”… Jesus, que é a soma e a essência do Evangelho, que é, em si mesmo Toda a teologia: a encarnação de toda verdade preciosa; a personificação gloriosa do caminho, a verdade e a vida ” (primeiras palavras de Charles h. Spurgeon no tabernáculo metropolitano).


” tomo o meu texto e vou para a cruz ” (” Os segredos da pregação de Spurgeon “, Lewis a. Drummond, p. 15).


A partir daqui, extratos citados pelo ps. Victor B. Garcia, do blog “verdades que edificam”:

” o lema de todo verdadeiro servo de Deus deve ser: ” nós pregamos a Cristo e este crucificado”. “Um sermão sem Cristo é como um pão sem farinha.”

“ Não há Cristo em seu sermão, cavalheiro? Então vá para casa e nunca pregues novamente até que tenha alguma coisa que valha a pena ouvir ” (Sermão não. 2899. 9 DE JULHO, 1876).


” Deixar Cristo fora? Ó irmãos, melhor abandonem o púlpito por completo! Se um homem pode pregar um sermão sem mencionar o nome de Cristo deve ser o seu último sermão, ou pelo menos, o último que qualquer verdadeiro cristão deveria querer ouvir dele ” (Sermão 768. Sem data).


” deixe a Cristo fora do teu sermão e não estarás a fazer nada. Senhor padeiro, diz à Londres que estás a fazer pão sem farinha; anuncia em todos os jornais ‘pão sem farinha’ e logo vai ter que encerrar sua padaria porque os teus clientes sairão correndo para outro lugar. Um sermão em que Cristo não seja o princípio, o meio e o fim é um erro no conceito e um crime em execução. Não importa o quão eloquente seja tua linguagem, sem Cristo qualquer sermão será muito barulho para nada. E ao dizer ‘Cristo’ não me refiro apenas ao seu exemplo e os seus preceitos éticos, mas ao seu sangue redentor, à gloriosa satisfação que fez para expiar o pecado humano e para o grandioso convite que proclama “Crê e viverás” (Sermão 1625. De 23 de outubro, 1881).


” Conheça alguém que diz que eu sempre toco a mesma corda velha e que já não virá mais para me ouvir, a menos que eu pregue sermões sem Cristo. Ah! Este homem nunca voltará enquanto minha língua possa mover-se, pois um sermão sem Cristo é como um rio sem água, uma nuvem sem chuva, um poço que zomba dos sedentos, uma árvore duas vezes morta, um céu sem sol ou uma Noite sem estrelas. Um sermão sem Cristo é como a região dos mortos – um lugar de lamento para os anjos e de riso para os demônios. Oh cristão, devemos ter a Cristo! Certifique-se que cada dia ao acordar você consiga através da contemplação da sua pessoa, um puro sabor a Cristo. Vive o dia todo, em quanto te seja possível, medita teu coração com Ele, e depois, à noite, deita-te com Ele” (Sermão 558. 6 Março, 1864 ).


” Eu iria muito mais rapidamente a uma mesa rustica para comer em um prato de madeira algo que sacie meu apetite que a uma mesa elegante na qual não teria nada para comer. Sim, é Cristo, Cristo, Cristo, a quem temos que pregar; e se não o fizermos, estaremos a abandonar a própria alma do Evangelho. Os sermões sem Cristo enchem de alegria o inferno. Os pregadores sem Cristo, os professores da escola dominical sem Cristo, os líderes de grupos sem Cristo, os tratados sem Cristo, o que estão fazendo? Simplesmente estão a preparar o moinho para a moagem sem ter colocado grão no triturador. Todo o trabalho é em vão. Se deixares a Cristo fosse simplesmente está batendo ao ar ou indo para a guerra sem arma alguma para combater o inimigo ” (Sermão 3288. 11 de fevereiro, 1866).
” o espírito de Deus não dá testemunho dos sermões sem Cristo. Se ele não está na sua pregação, o Espírito Santo nunca virá sobre ti. Por que faria isso? Não veio ele com o propósito de testemunhar de Cristo? Não disse o Senhor: Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar. (João 16:14)? Sim, o seu objectivo era Cristo e ninguém mas além dEle, e essa é a lição que o Espírito Santo confirma. Que Deus nos guarde de nunca nos afastar este ponto central – que nossa determinação seja não conhecer nada mais importante que Cristo e este crucificado ” (Sermão 1540. 30 de maio, 1880).


” Onde Cristo não é central, não há nada de unção, nem nada de sabor, e os homens fazem a coisa certa em não se submeter a um ministério também. O ministro que deixa a Cristo fora de sua pregação está a tirar-lhe o leite para as crianças e a carne para os adultos; mas se o teu objectivo como professor e pregador é glorificar a Cristo e guiar os homens para que nele crerem e o amarem, essa é a obra onde o coração de Deus se encontra. Se você fizer isto, você e o Senhor estão apontando para a mesma direção ” (Sermão não. 2449. 17 de maio, 1887).
Só a Deus a glória!Tradução: Alan Paz

Pastor Charles
Fonte consultada:
(1) “Cristo e a mensagem de Spurgeon” | PS. Victor B. Garcia, administrador do blog: “verdades que edificam”. fonte: http://www.verdadesquereforman.com/2013/03/cristo-y-el-mensaje-de-spurgeon.html
(2) “Os segredos da pregação de Spurgeon” | Lewis a. Drummond, p. 15.
(3) “Spurgeon : nova biografia” | Arnold Dallimore (páginas brincos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: